sexta-feira, 13 de março de 2009

Ainda sem ponto final no final

Aviso: Trata-se de uma obra de ficção. Portanto, qualquer semelhança com alguma situação real não terá sido, certamente, uma mera coincidência.


Quinta-feira, 12 de março de 2009.


Amanheceu. Nota-se da janela que o dia está lindo. O apartamento oferece conforto e liberdade. Acredita que esteja preso. Um papo pseudo-agradável no msn. Alguns programas interessantes veiculados na TV distraem. A sensação de mal-estar permanece incomodando. Decide sair.


Lá fora, afirma para si mesmo que iria à academia. As músicas são empolgantes. Reanimariam o estado de espírito. Na academia, depara-se com o cinza, o preto e poucas pessoas. Tem a sensação de que está levantando duzentos quilos. Termina a sessão. Retorna para o lar. Sente que algo bom está para acontecer. O dia continua lindo.


Chega no apartamento. Liga para um amigo. Faz um convite. O convite foi aceito. Vão comer um hambúrger numa dessas lanchonetes de calçada de avenida de Zona Sul. Decide ir a algum lugar para melhor conversar. O telefone toca. É um amigo de um amigo. Todos estão em um barzinho também de zona Sul. Um papo pessoalmente agradável. Outro amigo aparece. Conversam sério. Conversam friamente. Acredita que o importante somente é estar entre amigos. A noite chegou. Está estrelada. As nuvens em tons alaranjados parecem trazer alguma boa nova. Decide voltar para casa. Já estava ficando tarde.


Pega um ônibus para casa. O cobrador e o motorista mostram-se tristes e cansados. Devem ter trabalhado muito. Não é motivo para alterar esse estado de felicidade que tinha. O ônibus prossegue seu caminho na noite de vento gélido. Muitas estrelas. Os outros passageiros parecem muito tristes também, como se alguma coisa muito ruim tivesse acontecido. "Seja Legal", diz um papel colado próximo a uma das lâmpadas do ônibus. Sorri. Está na hora de descer.


Dois marinheiros cuidavam da segurança da vila naval. Não há mais ninguém nas ruas. O vento gélido castiga. Não é capaz de fazer com que o sorriso no rosto desapareça. Estava com os amigos. Estava feliz. Chega afoito no apartamento. Queria contar como tinha sido o dia. Ele está lá. Online. A felicidade atinge seu ápice. É envolvido por um emaranhado de pensamentos. Carnatal. Fotos. Noites em boates. UFRN. Aristóteles. Cinema. Beijo. Pênis. Começa a chover repentinamente. "Você vai encontrar alguém que te dê o valor que eu deixei de perceber."















































Vazio

Um comentário:

Joao Paulo disse...

me desculpe por tudo :(